Fundamentos para Escolha da Cor das Restaurações Estéticas

  Artigo, 16 de Ago de 2010

Fundamentos para Escolha da Cor das Restaurações Estéticas

COR

Impressão subjetiva, formada em uma porção específica do cérebro, devido à especialidade dos bastonetes e cones da retina.

  • Quando uma luz neutra sol - atinge uma superfície que reflete todos os raios, os olhos vêem uma superfície branca.
  • Quando esta luz é refletida e absorvida na mesma quantidade: cinza
  • Quando é totalmente absorvida a superfície torne-se negra.

COLORIMETRIA

A intensidade de uma fonte de luz é estabelecida pela energia que ela emite.

  • Objetivo: especificar a cor tomando medições precisas quantitativas e gráficas.
  • Possibilita analisar:  cor dos dentes naturais, escalas de cores e materiais cerâmicos, clareadores.

Percepção de cor: qualquer luz contendo uma ou outra parte do espectro, ou contendo alguns constituintes de intensidade mais altos que os outros, é percebida como colorida pelos olhos.

A luz que vemos é apenas uma pequena parte do espectro eletromagnético:

  • Ondas elétricas e de rádio
  • Raios X
  • Raios gama e cósmicos
  • Radiação óptica: UV, IV e Visível, Vieira et al 1998

Radiação óptica: energia propagada na forma de ondas eletromagnéticas (UV, IV e Visível).

Luz visível: parte do espectro capaz de sensibilizar o olho humano (380-780nm).

Irradiação: quantidade de radiação emitida por uma fonte ou recebida por uma superfície, Vieira et al 1998

NORMAS ESTÉTICAS ESTRUTURAIS - FÍSICAS

  • Sombras criam profundidade
  • Luz cria proeminências
  • Linhas verticais destacam altura
  • Linhas horizontais destacam largura

Aplicações:

1 - Contorno dental: limita-se aos ângulos, sulcos, depressões naturais, inclinações incisais e gengivais, e bordas incisais.

2 - Manipulação da cor nas localizações naturais: inclinações gengivais, área interdentais e superfícies dentais selecionadas.

Rufenacht R, 1998

  • Maior contraste aumenta visibilidade
  • Maior reflexão da luz aumenta visibilidade
  • Maior deflexão da luz diminui visibilidade

Ilusões:

  • Conceitos óticos criam ilusões ópticas, “modificam”: tamanho e forma dental.
  • Melhor forma de resolver ou esconder uma situação esteticamente desagradável.

A percepção do contorno dos objetos depende da luz que os atinge, porque a forma superficial destes objetos é responsável pela reflexão da luz.

A compreensão destes princípios deve ser compartilhada pelo CD e pelo laboratório para que resulto um trabalho de ótimos resultados.

Fotoluminescência: substâncias que emitem um certo tipo de luz quando atingidas por raios ultravioletas invisíveis.

Fosforescentes: continuam a emitir luz visível após os raios ultravioletas a atingirem.

Fluorescentes: emitem luz visível somente enquanto os raios ultravioletas estão atingindo.

Dentes são fluorescentes.

Cor definição:

  • Cor física: intensidade de energia emitida, comprimento de onda e composição espectral, envolve energia radiante.
  • Cor psicofísica: luminescência, comprimento de onda dominante e valor colorimétrico, envolve luz captada pelos olhos.
  • Cor psicosensorial: matiz, valor e croma, relaciona-se com o modo de com o cérebro interpreta a cor,  clinicamente é o aspecto mais importante a ser considerado.

Deve ser transmitido ao laboratório de prótese: informação de cores acrescido à matiz, valor, croma e translucidez

Classificação espacial da cor:

  • As quatro dimensões da cor: matiz, valor, croma, e translucidez.
  • Devem ser quantificadas o mais clara e precisamente possível ao se definir a cor do dente natural ou do elemento a substituí-lo.

Matiz: é a escala que se distingue uma cor da outra, corresponde ao comprimento de onda de luz refletida pelos dentes.

Ex: vermelho e azul

Na escala “Vita” há quatro matizes:

  • Vermelho-amarronsado (A)
  • Amarelo-alaranjado(B)
  • Cinza-esverdeado(C)
  • Cinza-rosado(D)

Valor:

  • Distingue as cores claras das escuras.
  • Mais importante na determinação da cor.
  • Se houver cores distintas do mesmo valor, estas cores parecerão idênticas.
  • Intensidade de luz exerce influencia decisiva no valor aparente de um dente.
  • Escolher  valor diante de uma luz média ou obscurecida.
  • Valor é independente da cor.
  • Valor não é a quantidade de brilho.
  • Quantidade de preto e branco existente na cor

         0:preto  -- 10:branco

  • Cor A1: maior quantidade de branco

Croma: porção pigmentada do matiz

  • Definição: quantidade de pigmentos contido na escala do matiz.
  • Exemplo: na mesma escala citada existem no matiz “A” quatro diferentes níveis de croma, A1 à A4.

Croma é o aumento de valor.

  • A dessaturação da cor tem sido realizada com a utilização de pós-cerâmicos, portanto quanto mais alto o grau de dessaturação, menos pigmento terá a mistura.
  • Influenciado pela translucidez do esmalte, CHICHE, PINAULT- 1996

Pode-se então escolher uma cor da escala “Vita” A3 de vários graus de croma.

Translucidez: a translucidez desempenha um papel decisivo no fenômeno de transmissão da luz. A translucidez depende do esmalte e parcialmente dentina.

  • Podemos demonstrar onde um dente novo não é muito translúcido e a dentina é opaca.Enquanto o dente envelhece, ele adelgaça e aumenta sua translucidez, chegando até à transparência, e a dentina menos opaca, porém mais saturada.

Touati; Miara; Nathanson, 2000

Translucidez:

  • Tipo A: pouca translucidez, estes dentes não dão impressão de translucidez. Deve constar como informação laboratorial sendo um dente sem transparência ou levemente translúcido.
  • Tipo B:  translucidez nas incisais em forma de uma faixa.
  • Tipo C: translucidez em região incisal e cristas proximais.
  • Ordem de importância: valor, translucidez, croma e matiz.
  • Valor é três vezes mais importante que o matiz e duas vezes mais que o croma.

Yamamoto, 1989

Outros fatores:

  • Fluorescência
  • A influência da cor dos tecidos vizinhos
  • Cor do substrato dental ou suportes metálicos
  • O grau de opacidade ou translucidez do cimento
  • Tipo de material utilizado

EFEITO OPALESCENTE

A luz refletida dá um aspecto azulado e a luz transmitida uma aparência laranja-avermelhada.

  • Se a composição tecidual se alterar, esta opalescência pode diminuir ou desaparecer, impondo ao dente um alto grau de opacidade.
  • O efeito opalescente pode ser afetado pela temperatura e números de queimas do material, diminuído o efeito com cerâmicas de baixa fusão.

Opalizantes:

  • São pós finos e extra finos : criam translucidez.
  • Depende quantidade, granulação e composição.
  • Esmalte: pouco opalizante
  • Dentina: contém bem mais, influencia transmissão da luz.
  • As partículas de opalizantes produzem efeito de dispersão da luz no dente e na cerâmica dental.
  • Quanto maior a dispersão, mais opaco material.

OPALESCÊNCIA

O efeito opalescente é gerado pela dispersão e refração da luz,

devido aos cristais de hidroxiapatita presente  no esmalte dental. YAMAMOTO, 1989

Contra-opalescência: fenômeno onde a crista incisal parece azulada, as cristas proximais parecem escuras ou amarelo-alaranjadas, devido a opacidade e a luz transmitida. O dente parece alaranjado.

Para evitar este efeito:

  • Não reduzir demais a profundidade da cerâmica
  • Usar dentinas opacas, e técnicas de aplicação por estratificação com dentinas gradualmente declinantes (evita efeitos de reflexão interna).
  • Usar materiais opacos escuros para aumentar a absorção, promovendo efeito de dispersão da luz em contato com a superfície.
  • Evitar sobrequeima dos materiais opacos, que os torna lisos e brilhantes.

FLUORESCÊNCIA

  • Absorção de um comprimento de onda curta.
  • Conversão em luz com comprimento de onda maior.
  • Dente se torna uma fonte de luz.

Ausência do fluorescente

  • luz ultravioleta, restauração preta, ou inexistente.

Reflexão da luz

  • Áreas esbranquiçadas: causadas porque toda luz é refletida pela superfície, é o resultado da reflexão dos raios de luz.
  • Depende do angulo de incidência.
  • Todas as substâncias têm índices de refração com propriedades de reflexão superficial diferentes.
  • Quanto mais baixo o índice de refração, menos a superfície refletirá a luz.
  • Película de saliva: índice de refração relativo, mais baixo.

Influência da aparência superficial nos efeitos de reflexão da luz:

  • Luz atinge superfície lisa: raios refletidos são paralelos.
  • Corpo rugoso: dispersão dos raios, menor translucidez.
  • “Defeitos superficiais”: aumentados para reproduzir um dente não translúcido/jovem na cerâmica.
  • Dentes mais velhos: faz-se o contrário.

Metamerismo:

Superfícies são consideradas metaméricas quando não possuem análises de curvas espectrais similares, porém parecem ter cores idênticas sob certas condições de iluminação.

Como reduzir o metamerismo:

  • Utilizar cerâmicas com curvas espectrais  próximas dentes naturais.
  • Trabalhar sob fontes de luz regulares e imitar as cores sob os três grupos de iluminação: luz do dia, luz artificial e luz ofuscada.
  • Pedir a checagem de outra pessoa (mulher).
  • Selecionar a cor com a escala da cerâmica utilizada.
  • Limitar a pintura superficial.

A cor é terceira tríade da estética, após forma e textura dos dentes.

Seleção de cor influenciada:

  • Ambiente
  • Observador
  • Objeto
  • Fonte de luz
  • Escala de cores
  • Comunicação CD x Protético

Envie seu comentário

Cadastre-se grátis e opine sobre este artigo.

Autora

Veja mais

Trabalhar com estética dental é devolver o sorriso à alma, devolver felicidade pra quem não sorri mais. Um belo sorriso é o reflexo da alma feliz.

Vídeo-aulas em destaque

Pesquisar produtos

Curso
Veja mais no Catálogo

Leia também

Manipulação de Pasta de Óxido de Zinco e Eugenol

  Artigo em Prótese Dentária

Perda Acidental do Dente

  Artigo em Odontopediatria

Você é dentista?

Crie seu perfil para interagir com Dra. Tatiana e mais 50 mil dentistas.

Conecte-se com Facebook

Oferecimento

Coltene