Artigo, Sábado, 25 de Dezembro de 2010

Carcinoma Epidermóide em Paciente Fumante - Relato de Caso

Aspecto inicial da lesão

Aspecto inicial da lesão

INTRODUÇÃO

Dentre as neoplasias de cabeça e pescoço, o Carcinoma Epidermóide ou Carcinoma Espinocelular, como também é conhecido, é a neoplasia da cavidade bucal mais comum (Coleman & Nelson, 1996)[2]. O estudo das neoplasias malignas da cavidade bucal e estruturas adjacentes constitui fato importante na odontologia por causa do papel que o cirurgião-dentista representa no diagnóstico e tratamento destas lesões. Embora os cânceres não representem a maioria das condições patológicas atendidas pelo dentista, são de grande significado, uma vez que têm a capacidade de colocar em risco a saúde e a longevidade do paciente (SHAFER et al, 1985)[1].

O fato a se lamentar é que muitas lesões bucais não são reconhecidas como malignas precocemente, seja por equivoco de diagnóstico, ausência de familiaridade com os achados clínicos ou simplesmente por exame incompleto e inadequado da boca, perdendo assim a oportunidade de detectar a doença ainda em estágio precoce e tratável.

O presente trabalho tem como finalidade, relatar um caso de Carcinoma Epidermóide diagnosticado por aluno de odontologia ainda em estágio inicial, na Clinica de Diagnóstico e Promoção de Saúde Bucal da Universidade Católica de Brasília – UCB.

RELATO DO CASO

Paciente HRG, sexo masculino, leucoderma, 49 anos de idade, serralheiro, usuário de tabaco há 30 anos, portador de prótese muco-suportada, procurou o serviço de odontologia da Universidade Católica no segundo semestre de 2008 para confecção de novas próteses dentarias. Ao exame intra-oral, foi detectada lesão em forma de placa leucoplásica medindo 3x2cm em seus maiores diâmetros localizada próxima a região do arco palato glosso, de encontro com ramo ascendente mandibular esquerdo, com base séssil e crescimento exofídico, bordas endurecidas e apresentando deslizamento e sangramento ao pinçamento, não havia presença de enfartamento ganglionar. Como a lesão se encontrava por baixo da prótese do paciente, o mesmo não tinha conhecimento da mesma. Diante do caso, foi então indicada a biópsia incisional utilizando instrumental Punch Biópsia, já que a lesão estava em fase de exteriorização (Coleman & Nelson, 1996)[2] e em localização de difícil acesso cirúrgico. O paciente foi informado quanto a análise histopatológica do fragmento coletado confirmando o diagnostico de Carcinoma Epidermóde com áreas de microinvasão, e em seguida encaminhado para o Serviço de Cabeça e Pescoço do Hospital de Base do Distrito Federal – HBDF. Atualmente o paciente faz acompanhamento para proservação de sua lesão, estando a mesma sob controle, não apresentando recidivas.

DISCUSSÃO E CONCLUSÕES

• O Carcinoma Epidermóide está entre as mais comuns neoplasias de cabeça e pescoço, alcançando uma alta prevalência de 90-99% de todos os cânceres de boca (Coleman & Nelson, 1996)[2];

• O sitio anatômico de maior prevalência é o lábio inferior, seguido da língua, soalho e outras regiões (Almeida & Cabral, 1992)[5];

• A idade média dos pacientes é de 60 anos, ocorrendo 95% dos casos em pacientes maiores de 45 anos e do sexo masculino (Chitapanarux et al, 2006)[3];

• Entre os fatores comumente considerados como predisponentes estão o tabaco, álcool, sífilis, deficiências nutricionais e luz solar (Shafer et al. ,1985)[4]. • No caso em questão, a lesão se apresentou com uma zona de ulceração associada a áreas leucoplásicas, porém, linfadenopatia e sintomatologia dolorosa não estavam presentes. Essas características estão de acordo com a literatura consultada. (SAMPAIO et al, 1981)[6];

• Quanto ao quadro histopatológico que confirmou o diagnóstico, verificou-se fragmento de neoplasia de origem epitelial caracterizada pela presença de células atípicas exibindo marcante pleomorfismo e hipercromatismo nuclear, além de figuras de mitose sendo algumas atípicas, nucléolos proeminentes e perda de relação núcleo citoplasma. O estroma adjacente é constituído por tecido conjuntivo com rico infiltrado inflamatório. Em algumas porções visualizaram-se áreas de micro invasão tumoral. • Visto que o paciente declarou na anamnese ser fumante de mais de 20 cigarros por dia, há mais de 30 anos, a principal hipótese como causa da lesão seria o fato de ser tabagista.

• Diante do caso relatado, fica exemplificado que o diagnóstico e correto encaminhamento de pacientes com suspeitas de lesões cancerígenas pode ser realizado por qualquer cirurgião-dentista, ou médico,que esteja bem familiarizado e atento à sinais e sintomas comumente apresentados por esses pacientes. Sugerindo ainda a necessidade de implantação de uma política de prevenção e controle do câncer oral nos consultórios, postos de saúde e estabelecimentos de ensino, no sentido de viabilizar a redução no número de novos casos, diagnóstico precoce e melhor prognóstico e tratamento dessas neoplasias.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.SHAFER, W. G.; HINE, M. K.; LEVY, B. M. Tratado de Patologia Bucal. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Discos CBS, 1985. p. 80.

2.COLEMAN, G. C.; NELSON, J. F. Câncer bucal. In: Princípios de diagnóstico bucal. São Paulo: Guanabara Koogan, 1996. p.258-9.

3.Chi tapanarux  I, Lorvidhaya  V, Sittitrai P,  Pa tarasakulchai   E, Tharavichitkul   E, Sriuthaisiriwong P et al. Oral cavity cancers at a young age: analysis of patient, tumor and treatment characteristics in Chiang Mai University Hospital. Oral Oncology. 2006;42(1):83-8.

4.SHAFER, W. G. et al. Alterações do desenvolvimento e do crescimento. In: Tratado de patologia bucal. 4 ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1985. p.104-7.

5.ALMEIDA, J. A; CABRAL, G. L. Diagnóstico do carcinoma bucal. Rev Gaucha Odontol, v.40, n.3, p.167-89, mai./jun.1992.

6. SAMPAIO, M.C.C. et al. Carcinoma Espinocelular da boca I-Estudo de 236 casos. Ars Cv, v.8, n.2, p.69-76. mai./jun. 1981.

Vídeo-aulas em destaque

Pacote

Pacote Completo OMB 2013

Assista 10 módulos com todas as 24 palestras Odonto Management Brazil 2013.

Cursos38m 10s

Moldagem em Prótese Fixa

Com Prof. Dr. Raphael Monte Alto

Cursos06h 06m

Lentes de Contato e Laminados Cerâmicos

Com Prof. Dr. José Carlos Garófalo

Veja mais em Vídeo-aulas

Pesquisar produtos

Material

Embalagem para esterilização Cristófoli

2 anos (a partir da data de fabricação)

Material

Lançamento - White & Brite Night Clareador Dental

À base de Peróxido de Carbamida - 10%, 16% ou 22%

Veja mais no Catálogo

Você é dentista?

O iDent ajuda dentistas a trocarem conhecimento e oportunidades na internet.

Participe do iDent. Grátis.